FANDOM


Scabaras
Gênero Masculino
Ideais Isolamento e Sabedoria
Lançamento Sem informação
De Missão? Não
Cores Bege e Azul Escuro
Adjetivo Scabarita
Símbolo Scarabas símbolo
Classe 7
Scabaras é um dos quatro deuses menores do Panteão Menaphita, geralmente associado com o isolamento e, muitas vezes, o mal. Desde o seu banimento na Quarta Era, seus seguidores diminuíram grandemente, e os Menaphitas altamente desencorajam adorá-lo. Ele é geralmente retratado como um escaravelho ou como um inseto humanóide. Diz-se que ele é um impostor e brincalhão com altas intenções nobres.

Convicções

Visão Geral

A ideia central da crença scabarita é obter um estado mental permanente de tranquilidade, conhecido como iluminação. Isto é conseguido isolando-se do mundo exterior e evitando o contato com qualquer outra criatura viva, a menos que o adorador as mate ou, em alguns casos, as converta.

Seguidores Modernos

Como recompensa por séculos de lealdade, as formas humanas Scabaritas desapareceram, e agora aparecem como escabaras humanóides. Alguns acreditam que esta aparência é moldada em homenagem a Scabaras. Idealmente, um Scabarita deve levar toda a sua vida sem entrar em contato com outros, pois isso polui a mente e os tira do caminho da iluminação. Embora isolados, Scabaritas comem muito pouco e passam a maior parte do dia meditando, um processo cuidadoso que leva uma vida para dominar. Como resultado deste estilo de vida, os Scabaritas permaneceram quase completamente desconhecidos por séculos.

A maioria dos Scabaritas vive sozinha no deserto Kharidiano, escondida em cavernas e túneis sob o solo. Uma exceção muito rara a esta regra está nos túneis Scabaritas no deserto do sudeste, onde as centenas de cultistas têm recentemente residência feita nos túneis antigos de Ullek. Aqui, o Sumo Sacerdote de Scabaras tomou residência. Exatamente como os grandes grupos de adoradores evitam a poluição mental ainda não é claro. Uma série de questões ocorrem como resultado de viver em um grupo. Aqueles que servem como guerreiros experimentam a poluição trabalhando juntos e continuamente entrando em contato com inimigos. A criação, também, é considerada uma poluição, e, como resultado, fazer qualquer uma dessas coisas é considerado um grande sacrifício necessário para a sobrevivência do culto.

Seguidores Primitivos

De acordo com Senliten, durante a Segunda Era, os seguidores de Scabaras não foram considerados como "mal", e foram associados mais geralmente com eruditos, filósofos e outros intelectuais. Ela afirma que há muita discordância entre as diferentes seitas do panteão, onde houve uma vez a cooperação, sugerindo que o seguimento a Scabaras foi uma vez encorajado, ou, pelo menos, tolerado. Ela também afirma que "pelo exemplo do besouro de esterco, aprendemos que o desagradável pode ser transformado em vida através de atitudes adequadas." Este é um exemplo que é seguido por todos que tentam fazer o deserto estéril sua casa, até mesmo os Menaphitas que altamente desencorajaram o culto a Scabaras.

História

Origem

Histórias diferentes contam a origem de Scabaras. Todas acontecem no Sonho de Tumeken, um conto religioso que detalha as origens do Panteão do Deserto.

Banimento

A maioria dos documentos sugere que a adoração de Scabaras foi tolerada pelos Menaphitas durante milhares de anos, durando a Guerra dos Deuses e na Quarta Era. Evidências arqueológicas sugerem que Scabaras foi adorado em Menaphos e Sophanem, e talvez até Uzer e Ullek.

No final da Guerra dos Deuses, Guthix despertou e criou os Éditos de Guthix, um conjunto de leis que declaravam que os deuses não podiam interferir diretamente com o mundo mortal e que nenhuma guerra em larga escala poderia ser iniciada. Aparentemente, Scabaras desobedeceu estas leis e, eventualmente, foi tão longe que proibiu a adoração de todos os deuses, exceto a si mesmo.

De acordo com Neite, uma antiga sacerdotisa de Amascut, Scabaras foi banido em parte por tentar "minar" Elidinis. Com isso, ela aparentemente quis dizer que seus adoradores tentaram cavar sob o rio Elid. Essas ações provocaram retaliação maciça de grande parte da sociedade menaphita. Os Menaphitas expulsaram vigorosamente Scabaras de sua civilização, e a visão de seu culto tornou-se sombria. No Museu de Varrock (seção de história natural), um historiador natural diz que, segundo a lenda, quando Scabaras foi banido, seu sangue espalhou sobre os escaravelhos, transformando-os em Kalphitas.

Anos de Exílio

Por centenas ou mesmo milhares de anos, o povo de Scabaras procurou adorar sozinho, buscando cavernas isoladas dentro do deserto. Durante este tempo, a filosofia anti-Scabarita diminuiu um pouco, embora os Scabaritas não retornaram à sociedade. Neste período, muitos Scabaritas tomaram por residência a região dos pântanos e dos penhascos no deserto do sudeste. Um grande grupo, liderado pelo sumo sacerdote, encontrou recentemente um lar dentro das antigas cavernas de Ullek, uma cidade que estava entre as mais prósperas do mundo. Aqui, liderados por seu Sumo Sacerdote, eles buscavam uma vida de adoração, usando o contingente como proteção.

Eventos Recentes

O roubo do diamante Kharid-Ib

Durante a missão Diamante Bruto, Scabaras, em uma tentativa de impedir Amascut de obter o Kharid-Ib, cria uma série de eventos de areias movediças que engole o terceiro relógio de sol e, eventualmente, o jogador e o Kharid-Ib. Scabaras, então, ordena que um de seus seguidores kalphitas leve o Kharid-Ib para os túneis, evitando que o jogador e Ozan o peguem de volta. Contudo, os planos de Scabaras para proteger o diamante foram frustrados, uma vez que o jogador e Ozan conseguem resgatar o diamante, mais uma vez. Os planos de Scabaras, antes desconhecidos, são revelados mais tarde em uma conversa entre Jabari e Amascut no final da missão.

O ataque a Sophanem

O seguinte acontecimento ocorre durante as missões Restabelecendo Contato e O Mistério de Scabaras. Enquanto meditava, o Sumo Sacerdote de Scabaras foi confrontado por uma visão. Uma mulher de corpo vermelho, um híbrido de humano e escaravelho, disse-lhe que, a fim de alcançar a verdadeira iluminação, todos os não Scabaritas deviam ser eliminados. Depois de muita luta interna, o sacerdote sucumbiu à influência da mulher, acreditando ser um mensageiro de Scabaras. Procurando por uma maneira de entrar na cidade menaphita de Sophanem, os Scabaritas descobriram que os túneis podiam ser usados ​​para chegar ao Cemitério de Sophanem, um antigo sistema de cavernas que ligava Menaphos e Sophanem. Entrando de uma fenda, os Scabaritas colocaram um escaravelho gigante na fissura para impedir os Menaphitas de encontrá-los.

Depois de montar armadilhas nas cavernas, os Scabaritas lançaram uma ofensiva contra Sophanem, destruindo primeiro o banco subterrâneo da cidade. Eles então recuaram, esperando cautelosamente para ver qual seria a resposta dos Menaphitas. Um aventureiro acabou descobrindo as terras de adoração dos Scabaritas ao leste da cidade. O aventureiro conseguiu fazer contato com o Sumo Sacerdote Scabaras, que descobriu estar sob a influência de Amascut, a deusa da destruição responsável pelas pragas de Sophanem. O aventureiro libertou o sacerdote do controle de Amascut. O sumo sacerdote imediatamente cancelou o ataque e concordou em fazer as pazes com Sophanem.

Curiosidades

  • Por ser o deus da solidão e ter sido exilado, ele pode ser baseado no deus egípcio Seth. No entanto, devido a seus traços de escaravelho, ele também pode ser baseado no deus egípcio Khepri. Scabaras poderia, por último, ser vagamente baseado em Serket, a deusa egípcia dos escorpiões.
  • A descrição da unidade de mago de Scabaras no jogo Armies of Gielinor revelou que os seguidores de Scabaras eram humanos, mas abandonaram seu corpo humano para adotar uma forma de escaravelho e honrar seu deus.
  • Acredita-se que a Rainha Kalphita tenha sido criada a partir do sangue de Scabaras.