FANDOM


UllekMembros
Ullek atualmente
AKA[?] Ruínas de Ullek
Inglês Ullek
Lançamento 2 de janeiro de 2008
Reino Deserto Kharidiano
Religião Panteão Menaphita
Teleporte Nenhuma
Habitantes[?] Scabaritas (anteriormente humanos )
Outros
Banco ícone mapa 0 Altar ícone mapa 0 Obelisco ícone mapa
Ullek mapa
A antiga cidade de Ullek já foi uma das cidades mais antigas e prósperas de Guilenor. Ocupou a área em que agora estão o planalto, morros e pântanos no Deserto Kharidiano oriental durante a Segunda Era. Ela caiu durante as Guerra dos Deuses, deixando poucos restos.

A área do pântano é freqüentemente chamada de Pântano de Ullek. Sob o planalto há um calabouço, ao qual o Sumo Sacerdote de Scabaras se refere como a colmeia dos Scabaritas, e o túmulo de Catolax. Grande parte da área não é acessível até que o jogador tenha feito pelo menos parte da missão O Mistério de Scabaras ícone O Mistério de Scabaras.

Localização

A área de Ullek na região sudeste do deserto de Kharidiano sofrem com o calor do deserto, portanto, aos jogadores, são aconselhados levarem Odres d'água.

A área pode ser acessada viajando para o leste a partir de Sophanem e entrando no pântano.

O planalto pode ser alcançado subindo do pântano, com o jogador chegando primeiro ao acampamento de um arqueólogo e depois às áreas infestadas de monstros.

Um atalho permite o acesso entre o planalto e a área da Pirâmide da Agilidade. Para fazer isso, o jogador usa uma corda em uma rocha suspensa na parte mais ocidental do planalto, a oeste dos arqueólogos. A corda permanecerá permanentemente lá no atalho. O atalho requer nível 25 Agilidade Agilidade.

Ullek atalho

O atalho de corda

História de Ullek

O deserto de Kharidiano do sudeste era muito mais arborizado na Segunda Era, em contraste com seu clima árido de hoje. Os benefícios econômicos, ambientais e arquitetônicos disso atraíram muitos colonos, que finalmente fundaram a cidade. Infelizmente, informações confiáveis ​​sobre os primeiros dias da Ullek são muito raras.

Durante seus dias de glória, Ullek foi a mais próspera de todas as cidades do deserto, superando até mesmo Uzer no poder. Evidentemente as duas cidades estavam intimamente ligadas e compartilhavam o mesmo Faraó junto com cidades menores como Sophanem e partes das terras selvagens de Bedabino. Como um dos poucos assentamentos proeminentes na região, enfrentou pouca oposição, a salvo dos bandidos e caravanas de traficantes de escravos que vagavam pelo deserto mesmo nos tempos antigos. Todos os documentos sugerem que Ullek estava entre as maiores cidades de homens na época, e escapou da influência de Zaros que cobria Misthalin, Asgarnia, o norte de Morytania e a região Kharadiana. Sua proximidade com os mares do sul e do leste permitiu o comércio com a maioria das principais civilizações de Guilenor, incluindo o Vale Sagrado, as Ilhas Wushanko, as ilhas dos mares do sul e do leste e, antes da chegada de Zaros, as tribos humanas da região central. continente.

Na Segunda Era, antes da chegada dos Icyene, Zaros lançou um ataque a Ullek do Vale Sagrado como parte de um esforço inicial para expandir seu poder em Guilenor. As forças militares de Ullek e Uzer conseguiram afastar este ataque com relativa facilidade, em grande parte devido à assistência dos Mahjarrat leais a Icthlarin. Zaros, evidentemente, não iria lançar um segundo ataque significativo contra Ullek no futuro, mesmo depois que o Mahjarrat deixou o deserto Kharidiano e se juntou a suas forças.

Algum tempo após a guerra com Zaros, a Rainha Faraônica Senliten governou Ullek e o resto da nação menaphita. O governo de Senliten foi um período de grande prosperidade, e também viu o estabelecimento do Uzer Mastaba, a primeira pirâmide em Guilenor.

Apesar de sua prosperidade, alguns textos descrevem Ullek como um desperdício e excessivamente tolerante. De fato, apesar de sua adoração aos Panteão do Deserto, parece que Tumeken tinha uma certa antipatia pela cidade, o que indiretamente levou à criação de Crondis. Um trecho de um livro descrevendo o sonho de Tumeken descreve Ullek durante sua ascensão:

No terceiro dia de seu sonho, Tumeken escolheu viajar para o leste do deserto, onde havia um grande pântano, que ladeava uma cidade ainda maior conhecida como Ullek. Lá, Tumeken esperava ver seus seguidores mais devotos, sendo o maior de todos os assentamentos do deserto. Os cidadãos de Ullek comemoraram sua chegada e puseram em movimento uma festa em sua homenagem, apesar de seus protestos. Eles enviaram muitos machados para recolher lenha para seus fogos e muitos caçadores para matar animais para a refeição. A água e o vinho vinham em volumosos recipientes de barro; frutas empilhadas tão altas quanto as pessoas. Os olhos de Tumeken se abriram para o desperdício de tudo. Incêndios empilhados dezenas de vezes mais altos do que uma refeição mais simples exigiria; homens gordos reclinavam-se em cadeiras, enchendo as bocas salpicadas de saliva com mais forragem.
O sonho de Tumeken, traduzido por Reldo de Varrock.

Algumas dessas pessoas eram menaphitas, pessoas que já viveram no deserto por centenas de anos. Ullek também teve contato próximo com Uzer, que trouxe um suprimento constante de argila, incluindo Golens de argila que serviram como guerreiros e guardas. Ullek também foi notória por suas duras punições. Um documento sugere que, quando uma determinada meta de madeira não fosse atingida, todos os madeireiros envolvidos seriam severamente açoitados. No final da vida da cidade, a madeira parece ter se tornado cada vez mais difícil de encontrar. Se isso é devido à mudança climática ou ao extenso desmatamento da cidade, não está claro.

Ullek pantano

O mar tomou grande parte da área onde Ullek ficava, deixando a área outrora arborizada um pântano perigoso.

As árvores que cobriam a costa que habitavam se tornaram muito importantes para as pessoas da cidade. Documentos sugerem que muitos dos povos de Ullek eram carpinteiros, madeireiros e ferreiros. A oferta de madeira da cidade estava entre seus ativos mais importantes, sem os quais grande parte da cidade não poderia funcionar. No entanto, a pedra também foi uma parte fundamental do desenvolvimento da Ullek; granito e rocha de arenito foram dois dos recursos mais significativos da região. Além do comércio, estes foram usados ​​para construir pilares e arcadas que ainda pontuam o deserto do sudeste. Usando esses materiais, o povo de Ullek foi capaz de construir travas e dispositivos defensivos extremamente avançados, como é evidente nos túmulos e cavernas da cidade.

A cidade em si era muito grande, estendendo-se ao longo de grande parte da costa sudeste e até as grandes falésias que haviam sido desgastadas pelas marés. As falésias eram muito importantes e podem ter servido como uma forma de defesa contra os ladinos e agressivos nômades que vagavam pela área.

É possível, mas não confirmado, que foi o povo de Ullek que construiram a Jaleustrophos, a Pirâmide da Agilidade encontrada nas proximidades.

As Guerras dos Deuses e a queda de Ullek

Após a queda de Zaros do poder e o início das Guerras dos Deuses, o Deserto Kharidiano tornou-se o local de muitas batalhas, em grande parte devido ao banimento dos seguidores de Zaros e aos conflitos entre Zamorak e Saradomin. Isso se tornou mais intenso, inúmeras facções lutando pelo controle da região. Estes incluíam não apenas Zamorakianos, Zarosianos e Saradominstas, mas também as forças do Lorde Drakan, que era independente e que procurava estender seu controle sobre Morytania do Vale Sagrado. O deserto do norte foi particularmente atingido, a cidade de Uzer sendo destruída pelas mãos do Thammaron Tsutsaroth e pelo demônio Balfrug Kreeyath, um futuro guarda-costas de K'ril Tsutsaroth. A civilização foi efetivamente forçada para os confins mais remotos do sul, enquanto a guerra dividia a maior parte do mundo. Ullek, apesar de sua localização distante em relação ao centro de batalha, caiu rapidamente, os golens de argila e os soldados que a defendiam foram derrotados facilmente.

Os refugiados que escaparam da batalha se esconderam na extensa rede de túneis sob a cidade, que há muito servia como área de armazenamento. No entanto, uma vez dentro dos túneis, os refugiados foram incapazes de retornar à superfície, onde a guerra tornou a sobrevivência quase impossível. As condições no túnel eram miseráveis ​​e muitas caíam em doenças e inanição. O suprimento de madeira esgotou-se rapidamente, e o esterco seco de camelo, que serviria como combustível de reserva, ficou molhado e infestado com algum tipo de larva. Isso deixou os túneis sem ventilação ou luz. Eventualmente, os refugiados encontraram uma saída que contornou os conflitos na superfície, permitindo que eles deixassem os túneis.

Scabarites estátua

Antiga região de Ullek, hoje domoninada pelos Scabaritas.

Eventualmente, os poucos sobreviventes que escaparam dos túneis viajaram para o assentamento menaphita de Sophanem, que era uma pequena aldeia na época. Aqui, aceito pelos menaphitas, eles contribuíram muito para a construção da cidade. Menaphos, a atual capital do deserto, foi fundada logo após a queda de Ullek, e os refugiados provavelmente contribuíram com seu conhecimento arquitetônico para seu design. O comércio com as terras inexploradas no sul provavelmente aumentou muito durante esse período, uma vez que a maior parte do continente e do Mar do Leste foram destruídos pelas Guerras dos Deuses e a região carecia de muitas necessidades básicas. Eventualmente, os sobreviventes de Ullek foram absorvidos pela sociedade menaphita, efetivamente acabando com o legado da cidade. Sua cultura, no entanto, provavelmente ainda sobrevive um pouco na cultura dos menaphitas.

Ullek nos dias atuais

Os restos de Ullek são muito poucos. Colunas e colunas projetadas pelos pedreiros da cidade ainda podem ser encontradas em pequeno número em todo o pântano do sudeste, mas foram erodidas ao ponto de pouco contar sua cultura. Várias portas foram descobertas escondidas nos penhascos, levando às antigas câmaras de armazenamento e tumbas da cidade. Os túmulos são particularmente bem guardados, protegidos por mecanismos de bloqueio complicados que poucos agora podem abrir.

O Museu de Varrock recentemente se interessou por Ullek, e enviou um grande número de arqueólogos para a área; embora eles não tenham sido totalmente treinados por causa dos fundos limitados do museu desde sua expansão. Ladrões como Simon Templeton também se interessaram pelas ruínas, embora a maior parte do tesouro da cidade tenha desaparecido há muito tempo.

Recentemente, uma grande congregação de Scabaritas, semelhantes a insetos, descobriu o sistema de túneis de Ullek. A religião de Scabaras afirma que, para obter a iluminação, é preciso isolar-se completamente do mundo exterior. Percebendo o valor dos túneis e pântanos agora abandonados, os Scabaritas começaram a adorar a área. Para garantir que suas mentes não sejam poluídas pelo contato com pessoas de fora, eles selaram a maioria dos pontos de entrada dos túneis e posicionaram os guardas na área circundante. Eles também descobriram grandes variedades de gafanhotos e escaravelhos, que eles estão usando como feras de guerra. Isso tornou os estudos na área extremamente perigosos.

Acampamento em Ullek

Acampamento dos arqueólogos.

Amascut, descobriu recentemente os Scabaritas e convenceu seu sumo sacerdote através de visões de que, para obter a solidão máxima, todas as outras vidas devem ser destruídas. Os Scabaritas descobriram que o sistema de cavernas de Ullek estava ligado de longe a Masmorra de Extermínio de Sophanem, que eles usaram para lançar um ataque a Sophanem. Durante a missão Missões O Mistério de Scabaras, os jogadores conseguem resgatar o Sumo Sacerdote do controle de Amascut, salvando Sophanem dos corruptos Scabaritas. Alguns, no entanto, continuam a seguir Amascut, vendo seus ensinamentos como superiores.

Durante a missão Missões Onde há fumaça..., os jogadores se aventuram nos túmulos selados de Ullek, onde a maioria dos túmulos dos mortos foi roubada por ladrões e caçadores de tesouros ao longo dos anos. Seus guardas continuam a proteger os corpos dos mortos da cidade, vivendo como espíritos que protegem os túmulos a todo custo. Amascut envia o jogador para os túmulos durante a missão, onde eles devem procurar o espírito de Catolax, um ex- mestre de extermínio de Ullek que morreu nas cavernas do deserto, abaixo da moderna Pollnivneach durante a Terceira Era.

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.